Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estapafúrdios do Quotidiano

Recado que é recado, escreve-se em Post-it®

Avatar do autor estapafurdiosdoquotidiano, 26.03.13

Olá boa noite amigo leitor. Como se sente hoje? Todo contente, não é? Não?! Como não? Com o lindo dia de sol que esteve hoje, como é que é possível não estar todo contente?! Ai, não esteve sol? Esteve a chover?! Pronto, tem razão... Mas pense assim: ao menos a Selecção Nacional lá ganhou, não foi? Nem tudo é mau, podia estar a chover e termos perdido o jogo. Ou pior! Hoje podia ser segunda-feira, estar a chover e termos perdido o jogo! Isso sim, era mau. Ou então termos empatado e ser domingo à noite. Que cenáriozinho desagradável...

(A noite de domingo dá-me sempre aquela sensação agridoce… Se por um lado o facto de ser domingo à noite até bom, pois ainda estamos no fim-de-semana, por outro já quase 2ª feira. O que é péssimo! É mais ou menos como empatar o jogo. É melhor do que perder, mas não deixa de ser mau!)

Por isso olhe, pensamento positivo e siga para bingo... Hoje é 3ª (ou 4ª depende de quando estiver a ler o nosso estapafúrdio) o dia de trabalho já acabou, Portugal ganhou e 6ª feira é feriado! How yeah!!

 

Eu sei que o texto hoje, está um tanto ou quanto… Digamos que… Estranho! Para não dizer pior… A culpa é do tempo. Tantos dias seguidos de chuva causa-me um distúrbio psicosemântico!

(Sim... É psicosemântico! Não me enganei. Era mesmo isso que eu queria dizer! Não sabe que distúrbio é esse? Então eu explico: é um distúrbio que afecta a semântica das frases previamente escritas! Pronto, já aprendeu qualquer coisa hoje. Não precisa de agradecer, o Estapafúrdios do Quotidiano serve para isso mesmo, para lhe ensinar coisas novas, diferentes e estapafúrdias...)

Ora então vamos lá ao estapafúrdio que nos trouxe hoje aqui:

 

Começo a achar que os Australianos andam ainda mais parvos que os Americanos. Já não bastava andarem por aí a enfiar dedos dentro das orelhas dos homens estátua, serem quase comidos por crocodilos, agora deram em abandonar bebés, sozinhos, com um mero recado junto deles! É que, segundo parece, uma Australiana deixou o seu filho, recém-nascido, dentro do carro estacionado numa superfície comercial qualquer e foi fazer compras. Esta notícia seria, por si só, já bastante irresponsável e estapafúrdia mas, para piorar um pouco as coisas, ainda teve o desplante de deixar um recado junto da criança que dizia:

 "A minha mãe está no supermercado a fazer compras, se eu precisar de alguma coisa liguem-lhe."

 

Então mas isto é de gente normal?!

Eu não condeno quem deixa recados. Muito pelo contrário, eu próprio já deixei recados muitas e muitas vezes. Mas há que ter em atenção o tipo de recados que se deixa e as alturas em que os deixamos. Por exemplo, é normal deixarem-se este tipo de recados:

- Tira a carne do congelador;

- O carro está estacionado lá atrás;

- Leva o cão à rua; 

- Tem um bom dia. Amo-te muito! (Leitores do sexo masculino, se vivem com uma senhora usem este recado e são capazes de vir a ter sorte à noite... Ou então não, Quem sabe?!); 

- etc...

 

Mas depois, há outras alturas (e assuntos) onde não é correcto deixar recados. É porque senão, o mundo seria uma rebaldaria completa. Já estou mesmo a imaginar o que seria se se deixassem recados para todo o tipo de situações: 

- Um homem desiste de se casar. Vai à igreja mais cedo agarra num bloco de Post-its® (recado que é recado tem que ser escrito em Post-it®) e escreve:

“Querida ontem esqueci-me te de dizer mas afinal não vai dar para casar. Desculpa lá qualquer coisinha. Continuação de um bom dia!”

 

- A mulher descobre que está grávida. Agarra na maquineta para a qual acabou de fazer chichi, cola-lhe um Post-it® e escreve:

“O meu chichi diz que vais ser pai. Parabéns!”

 

- O pai do marido falece. A mulher, ao saber da triste notícia, e como não sabe a melhor maneira de lhe contar agarra num Post-it®, cola no pára-brisas do carro dele e escreve (porque é que colou primeiro e escreveu depois?! Pois. Não sabemos. O recado é dela, ela é que sabe...):

“O teu pai patinou… Tem um bom dia de trabalho!” 

 

Entre outros, talvez até um tanto ou quanto mais catastróficos...

Por isso amigo leitor. Escrever recados tudo bem (isto claro, desde que seja em Post-it®) mas há que ter atenção ao que se escreve neles, OK?!?!

 

 

 

NOTA: Post-it® é uma marca registada da 3M Company. Os autores deste blog não têm qualquer ligação com a 3M Company".

 

 

Não fujam, não…

Avatar do autor estapafurdiosdoquotidiano, 25.03.13

Segunda-feira, para uns é mais um intensivo dia de trabalho, enquanto, para outros, é mais um dia de martírio pessoal, em busca do emprego que teima em não aparecer… O que aparece, é as contas para pagar e a depressão a chegar sem remorsos, levando a que as pessoas entrem em completas agonias. Mas, calma! Expressamente para esse tipo de pessoas, eu tenho algo para vos animar, malta! Um tal de blog, de seu nome — Estapafúrdios do Quotidiano. Um blog, onde as Segundas-feiras, não são apenas motivo de tristeza por se tratar do início de mais uma semana dolorosa de trabalho ou de procura de emprego. Mas, sim, de umas gargalhadas… Só por esse motivo, o Estapafúrdios do Quotidiano, devia ser considerado como: «Património Nacional da Gargalhada!». Mai nada! Toma! (E, juntamente, com essa designação, um prémio chorudo para os autores do blog, é claro. O que foi? Nós merecemos, ó!)

 

Estapafúrdio de hoje: «Mulheres Russas, escapam por milagre a um atropelamento!» 

 

 

Sim, é verdade… Na Rússia, duas mulheres circulavam descansadas numa das ruas mais movimentadas de Moscovo, quando um condutor de um carro decide passar um sinal vermelho, tendo embatido em outro carro, seguindo desgovernado em direcção às duas mulheres russas, que num movimento — Considerado por alguns, demasiado suspeito e artístico... — de corpo, conseguem saltar por cima do veiculo, evitando assim que fossem mortalmente atropeladas. Ora, isto podia ser bastante normal, certo? Quantos de nós, não assistiram já a condutores a passar sinais vermelhos e, literalmente, a atropelarem pessoas que circulavam descansadas no passeio? Eu, que me lembre, já assisti a alguns exemplos. Mas, este não é um caso simples… Igor Burkasov, investigador do Estapafúrdios do Quotidiano, estava sentado, calmamente, a beber o seu café numa esplanada que, curiosamente, se encontra no cruzamento onde ia acontecendo este atropelamento mortal das duas mulheres russas. O nosso investigador, foi uma das primeiras pessoas a chegar ao local, tentando ajudar as senhoras que estavam muito alteradas pela situação que tinha acabado de acontecer. Entretanto, uma desatou a fugir, enquanto a outra, foi convidada por Igor Burkasov, para um café. E, assim, o nosso investigador ficou a descobrir umas coisinhas…

 

Igor: Calma, relaxe… Sente-se aqui, por favor. Respire fundo… isso… Calma… Posso pagar-lhe um café, a ver se se acalma um pouco? 

 

Russa: Ai! Meu Deus… Toda eu tremo… Ai! Meu Deus! Café? Não! Café, não… Não posso beber café, porque fico ainda mais alterada. A cafeína em mim, estimula o meu sistema nervoso, colocando-me mais nervosa e menos atenta ao que se passa ao meu redor… 

 

Igor: Hum… Ok! Então, e se for um chá? Já ajudava a ficar mais calma? 

 

Russa: Chá? Eu quero lá chá… Dê-me mas é... VODKA! VODKA! EU QUERO VODKA! 

 

Igor: Eh, lá! Calma… Pronto… se é Vodka que quer, é Vodka que irá beber! 

 

Russa: VODKA? Você é doido? Eu sou uma ex-alcoólatra! E você vai dar-me VODKA? Eu vou-me embora! Você quer fazer-me mal! Quer levar-me para maus caminhos! Não confio em si…

 

Igor: Então… mas… que raio… Foi você que pediu Vodka! Você é doida, ou quê? Aliás, você deve sofrer de algum distúrbio, não? 

 

Russa: O que é que me chamou? Doida? Eu dou-lhe a doida, dou! Dê-me mas é... VODKA! E, cale-se… 

 

Igor: Mas… DESISTO! Beba lá o que quiser… Mas, diga-me, a senhora fez ali uma manobra bastante ágil para a sua idade, escapando ao atropelamento! Foi ginasta? 

 

Russa: Ginasta? Eu? Nã… Fui espiã… 

 

Igor: Foi o quê? Espiã? 

 

Russa: O senhor é surdo? Sim, fui espiã do KGB! Ah! Velhos tempos… Mas, se não fosse o Alexander Litvinenko a avisar-me do carro, eu não tinha escapado. Sabe, os meus ouvidos já não são os mesmos… Já passaram por muito…

 

Igor: Se não fosse quem? Quem é o Alexander Litvinenko? 

 

Russa: Que raio de pergunta… Toda a gente sabe quem é o Alexander Litvnenko — o famoso espião russo, assassinado… Ele é um ícone para todos os espiões russos! 

 

Igor: Então… Mas se ele foi assassinado, como é que pode a ter avisado? Não estou a perceber… 

 

Russa: Hum… Que bela VODKA, catano! Hã? Ah! Sim, claro. Então, eu ouvi a voz dele ao fundo, dizendo: «Cuidado! Foge! Olha o carro! Eles querem silenciar-vos! Como me fizeram a mim! Rápido! Foge! Salta! Pula! Foge! Rápido!». E foi o que eu e a minha colega fizemos! E foi assim que conseguimos evitar o atropelamento. 

 

Igor: Ah!… Você ouve vozes do além… 

 

Russa: Yep! 

 

Igor: E… já tinha bebido alguma coisa, antes de ouvir as vozes?

 

Russa: Sim! Só ouço o Alexander Litvinenko, após beber um copo de VODKA! 

 

Igor: Ah!… Eu logo vi… E, agora, depois de ter bebido este copo de Vodka, o que lhe diz o Alexander Litvinenko?

 

Russa: Que você é homem para me pagar mais um copo de Vodka…

 

Igor: Vá para o raio que a parta! 

 

 

 

Enfim, existe sempre uma explicação válida para tudo o que acontece neste mundo. Neste caso especifico, só existe apenas e uma só explicação para o evitar do atropelamento - a VODKA! 

 

RIC


Quando eu for grande quero ser...

Avatar do autor estapafurdiosdoquotidiano, 24.03.13

Olá muito bom dia. Como está o leitor nesta bela manhã de domingo? Tudo legal? Espero que sim! Comigo está tudo bem, muito obrigado por perguntar.

Hoje enquanto dormia, sonhei que tinha 13 anos. Era muito feliz, jovem, com uma farta cabeleira e era um tipo famoso. Ou melhor, um puto famoso, mais famoso até que o Justin Bieber. (E por falar em Justin Bieber, já viu o nosso texto do Jornal do Barreiro? Não? Como, não?! Vá lá ver que eu espero. Aqui fica o site: http://www.jornalbarreiro.com/new.php?category=7&id=9987 )

 

Esperando… Esperando… Esperando… - começo a achar que isto foi má ideia, o leitor não vai voltar. Foi ler o outro e agora já não tem paciência para este... - Esperando… Esperando… AHH voltou. Porreiro, então já posso continuar.

 

No meu sonho, eu tinha 13 anos e era Primeiro-Ministro de Portugal. Sim, eu sei que pode parecer aborrecido ser-se político aos 13 anos, mas se pensarmos bem, até não é. Fazemos o que queremos e ninguém nos controla. Por muito que nos digam que não sabemos fazer as coisas como deve ser, podemos sempre ignorar as pessoas e continuar a cometer erros. Saímos quando queremos e para onde quisermos, gastamos euros no que nos apetecer, e depois, ainda podemos fazer demagogia barata, sobre o que nos der na “real gana”! Ham… Bem fixe não acha?!


Ai acha que se tivéssemos 13 anos, ninguém ia ligar nenhuma ao que disséssemos? Aí é que você se engana…

Isadora Faber, 13 anos, aluna do 8º ano da Escola Básica Maria Tomázia Coelho em Florianópolis, criou uma página no Facebook para denunciar problemas na sua escola. (E agora só para si, leitor que achava que ninguém iria ligar a um pirralho de 13 anos…) Esta página já conta com 500mil seguidores. A rapariga já é tão famosa, tão famosa, que até o ‘Financial Times’ já a destacou como uma das 25 pessoas mais influentes do Brasil.

Ahhh pois é, apesar da sua tenra idade conseguiu cativar muita gente com as suas histórias de cadeiras partidas, falta de portas no wc e um ou outro mexerico sobre as contas obscuras da escola.

Eu como co-fundador do Estapafúrdios do Quotidiano, puxei dos meus galões e consegui telefonar para ela: (onde é que isto já se viu, ter que puxar “galões” para falar com uma pita de 13 anos… Aii, Aiii)

 

Gil: «Estou, Isadora, daqui fala Gil Oliveira do Estapafúrdios do Quotidiano, será que seria possível fazer-lhe algumas perguntinhas?»

 

Isadora: «Oi? São oito da manhã cara, cê só pode estar de sacanagem comigo né?»

 

Gil: «Não senhora, aqui não estamos de sacanagem com ninguém. Eu estou apenas a ligar, para saber se podia contar aos nossos leitores, o que a levou

a criar a tão famosa página do Facebook.»

 

Isadora: «Pô, pergunta bôba né? Cê não vê jornal? Eu criei ela para detonar a minha escola.»

 

Gil: «Então mas não gosta da sua escola? Ela deve ter coisas boas e coisas más… Temos que nos habituar, pelo menos é assim que fazemos em Portugal. Habituamo-nos…»

 

Isadora: «Mais isso é o problema do Portuga. Portuga se acostuma à tudo. Tem político corrupto, se acostuma. Tem imigrante a mais no país, se acostuma. Tem ladrão pegando tudo que é seu…»

 

Gil: «Sim já sei, se acostuma! Mas sabe Isadora, não é fácil… Isto está feito de uma forma que não conseguimos combater.»

 

Isadora: «Não consegue o quê cara?! Bota para quebrar. Usa seu blog, seu facebook, seu twitter, usa até o muro do seu barraco. O que interessa é denunciar! E ti digo mais, se não der certo, faz aí como aquela garota russa que levante 110 kilos de supino, malha muito, vai lá e toca porrada neles.»

 

Gil: «Olhe que belos conselhos. Muito obrigado Isadora, foi muito bom falar consigo. Se alguma vez precisar de trabalho, a porta do Estapafúrdios do Quotidiano está aberta para si.»

 

Isadora: «Ah, ah, ah. Cara eu sou cobiçada pelo Times e New York Post. Cê acha que ia trabalhar para um blog di brancadeira? Cai na real guri!»

 

Gil: «Olhe sabe o que lhe digo… Sabe? MAGOEI! Adeusinho e até nunca mais, ó pirralha mal cheirosa dos pés!»

 

Amigos leitores, retiro o que disse anteriormente. Podemos até ser ouvidos por 500mil pessoas quando temos 13 anos, mas não temos maturidade suficiente para lidar com elas. E não digo isto porque uma pirralha não quis trabalhar para nós, é mesmo porque eu acho, tá?! Obrigado e tenha um bom fim-de-semana. (Eu vou ali afogar as minhas mágoas num galão quentinho… Eu sabia que puxar dos galões ia servir para alguma coisa…eheh)

GIL