Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estapafúrdios do Quotidiano

Seja bem-vindo à moda do pandam...

Avatar do autor estapafurdiosdoquotidiano, 04.12.14

Ora viva! 
Então como está hoje o nosso caríssimo leitor, hoje? Lindo e esbelto, que nem uma modelo da Victoria's Secret?! Hum... Pois, não nos parece!!

Quem também não está nada lindo e, muito menos esbelto, são os habitantes da Coreia do Sul. Então não é que estes, g'andas malucos, agora decidiram andar por aí vestidos de igual à sua cara-metade?! Segundo o que conseguimos apurar, esta foi a forma que os casais encontraram, para demonstrarem o seu afecto pelo parceiro em público. Visto que as demonstrações de carinho, na rua, são proibidas.

Pois é meus amigos... Parece que a moda veio para ficar e até já os chineses aderiram. Por isso, ponham-se a pau, pois não tarda nada começaremos também a ver os portugueses a fazer "pandam" na rua...

roupa igual2

Esta notícia, por si só, já era extremamente estapafúrdia, mas decidimos estapafúrdiar um pouco mais a coisa...

Ora imagine o leitor que está na praia, junto da sua mulher, ambos com fatos de banho iguais. Eis que, surge uma belíssima mulher, com um biquíni com um padrão exactamente igual ao vosso...

 

Mulher: O que é isto?! Quem é esta tipa?

 

Marido: Epá, deixa-me dormir...

 

Mulher: Não te faças de desentendido. Eu exijo uma explicação! Quem é esta galdéria...

 

Marido: ÃÃÃÃn... Quié... Uói... Epá, eu não sei. Mas se quiseres posso ir descobrir.

 

Mulher: Tu descobres mas é a palma minha mão, na tua cara, se não paras de olhar para ela.

 

Marido: Mau... Primeiro dizes-me para olhar. Agora dizes para não olhar. Em que é que ficamos?

 

Mulher: Era para olhares, não era para ficares a babar... Agora vá... Explica-te!

 

Marido: Mas queres que eu explique o quê?!

 

Mulher: Ainda perguntas? Ó, sinceramente... Isto realmente há gajos com muita lata. Vá... Desembucha.

 

Marido: Mas desembucho o quê, mulher?! Explica-te...

 

Mulher: Preciso de explicar, é? Vais-me dizer que vais fingir que não é nada contigo?!

 

Marido: PORRA! ESTOU FARTO DESTA CONVERSA! DESEMBUCHA CARAMBA!

 

Mulher: Snif... Snif... Nunca pensei. 10 anos de casamento para terminar assim. Um dia na praia... snif... snif... Foi preciso virmos à Fonte da Telha para descobrir a tua traição.


Marido: Mas qual traição, mulher?! Eu nunca te traí!

 

Mulher: Ai, não?! Então como explicas que aquela mulher esteja a usar um biquíni, exactamente igual aos teus calções?! Hum...?! Vá... Explica-te? Seu... Seu... Seu canalha!

 

Marido: Ó c'um cara... Se soubesse que eras assim tão paranóica tínhamos ido para o Meco, porra!


Mulher: Bandalho!

roupa igual1

(Para estes e oturos looks pesquise por “Keo-Peul-Look” no google...)

GIL

Pratos do dia: «Cimento à Brás» e «Cimento à Zé do Pipo»…

Avatar do autor estapafurdiosdoquotidiano, 02.12.14

Olá, queridos leitores. Antes de avançarmos para o estapafúrdio de hoje, deixem-me actualizar a situação de José Sócrates na prisão de Évora. Segundo o que consegui apurar, Sócrates acordou bem-disposto, fez chichi para um penico e saiu da cela com vontade de praticar jogging. Pronto, sigamos para o estapafúrdio de hoje.

Na Dinamarca, as autoridades viram-se obrigadas a encerrar uma empresa (Nordic Ingredients) que fornecia refeições para hospitais e lares de idosos, porque descobriram que as refeições eram confeccionadas numa… betoneira. Sim, uma betoneira, dessas que são utilizadas pelos trolhas nas obras, para produzir cimento. À primeira vista parece ser um conceito um pouco estranho, mas depois de falarmos com Henrik Lars-Trolha – o dono da empresa de catering – de repente esta história começou a fazer algum sentido… (Ou não…)


RIC: Shôr Lars-Trolha! Então, qual é o prato do dia?

 

Lars-Trolha: Ah. Ah. Ah. Que engraçadinho… Como se você não soubesse que a minha empresa de catering foi encerrada…

 

RIC: Óóóó… Logo agora que estava interessado em experimentar um prato confeccionado numa betoneita. Sempre ouvi dizer que era comida que «enrijava» os ossos! Ah, ah, ah!

 

Lars-Trolha: Confere: temos engraçadinho. E, para além de engraçadinho, também temos um estúpido.

 

RIC: Vá… Também não vale insultar. Vamos lá a assuntos sérios: como é que surgiu essa ideia de fazer as refeições para os velhotes, numa betoneira?

 

Lars-Trolha: Durante vários eu fui um trabalhador da construção civil. Sempre fiz o meu almoço na betoneira, visto que o trabalho não podia parar e a betoneira estar sempre em movimento. E estou aqui, firme e hirto, e nunca tive problemas, tirando a parte em que não consigo dobrar a perna direita, porque onde antigamente tinha o joelho, agora tenho uma bola de cimento. Mas não é um cimento qualquer, é um dos bons. Dos rijos. isto não parte como quem dá cá aquela palha. É um joelho de cimento que está para durar anos, décadas e até séculos!

 

RIC: Ah… Então e isso correu tão bem que decidiu abrir a empresa uma empresa de catering onde as refeições eram feitas numa betoneira…

 

Lars-Trolha: Na verdade, eu nunca tinha pensado em tal. Até porque não queria partilhar esta maravilhosa ideia com o mundo. Era só e apenas o meu segredo. Eu ia chegar aos 100 anos rijo que nem uma parede de betão, e todos iam perguntar: «Ó Lars-Trolha, qual é o teu segredo para, aos 100 anos de vida, estares com forças para fazeres de coluna de um prédio de 10 andares?» Mas depois de ser despedido e de ter abandonado as obras, achei por bem trazer a betoneira comigo e partilhar com o mundo, especialmente com os velhotes dinamarqueses, este meu grande segredo de vitalidade.

 

RIC: Ah… ´Tá giro… E como é que são feitas as refeições?

 

Lars-Trolha: Não tem muito que saber… Basta fazer a refeição normal, e ao mesmo tempo juntar 10% de areia, 5% de água, e uma saca de cimento em pó. Depois é deixar a betoneira fazer o seu trabalho…

 

RIC: Ah, e os velhotes? O que têm dito eles sobre as refeições?

 

Lars-Trolha: Oh, não tem dito nada. Porque estão todos mortos…

 

RIC: MORTOS?!

 

Lars-Trolha: Mas atenção! Nunca os prédios na Dinamarca estiveram tão seguros! Não há terramoto ou sismo que derrube aqueles velhotes! Estão ali rijos, e vão durar séculos! Bom, quer experimentar um Cimento à Brás? Um das minhas especialidades? Tem é de ser você a fazer, visto que eu agora estou aqui a fazer de pilar, e a modos que não me dá lá muito jeito sair daqui, senão o tecto desaba…

 

RIC

 

 

O Facebook declara-vos: Marido e Mulher!

Avatar do autor estapafurdiosdoquotidiano, 01.12.14

Ora viva! 

Então... Feriadinho, não é verdade? Um dia em casa, depois do fim-de-semana, sabe mesmo bem! Ahh, que bem que se está na esplanada! Hum?! O quê?! Não é feriado? Tenho de ir trabalhar?? E AGORA É QUE AVISAM?!!

 

Bom... Passado o histerismo, provocado pela descoberta, de que hoje afinal de contas não é feriado, eis que chega o estapafúrdio do dia. Segundo parece um casal no Brasil foi considerado como estando a viver "maritalmente em conjunto" devido ao status de relacionamento no facebook. Acha isto estranho? Então espere para ler o resto...

 

GIL: Bom... Então deixa cá ver onde é que anda a brasileira... Brasileira... Ó Brasileira...

 

Jaciara: Brasileira, não! Eu tenho nome! O meu nome é Jaciara.

 

GIL: É lecas... Ai ciara, ciara. Eu ceara, almoçara, jantara, era os pratos todos!

 

Jaciara: Oi?

 

GIL: Olá, Gil Oliveira, prazer.

 

Jaciara: Oi?

 

GIL: Outra vez... Oi. Gil Oliveira, prazer.

 

Jaciara: Quem é você?

 

GIL: Porra que é lerda... (O que tem a mais de seios tem a menos em cérebro, está visto.) Eu sou o Gil Oliveira, um dos investigadores do Estapafúrdios do Quotidiano.

Jaciara: Não conheço...

 

GIL: Se conhecesses é que eu me admirava...

 

Jaciara: Oi?!

 

GIL: Epá, esquece! Explica-me lá mas é essa história, de teres pedido uma pensão alimentícia ao teu namorado, quando vocês nem sequer eram casados.

 

Jaciara: Não éramos casados mas tínhamos um "relacionamento sério"!

 

GIL: Pois... Isso era o que dizia no Facebook. Mas na prática vocês eram só namorados, não é verdade?

Jaciara: Não, não! Éramos casados.

 

GIL: Vá... Não mintas. Só estamos aqui os dois. Conta lá a verdade. Eram mesmo?

 

Jaciara: Não! Na realidade eu nem conhecia o cara. Nós começamos a paquerar, foto para cá, foto para lá, fomos na balada, ele ficou afim de mim e começamos a namorar.


GIL: Ah! Então afinal namoravam?

Jaciara: Não. Foi só na Internet. Ele mudou o status para "relacionamento sério" e eu mudei também.

 

GIL: E depois começaram a namorar?

 

Jaciara: Sai dessa, cara! Nós nunca mais nos vimos. De quando em vez eu dava uma paquera nele, fazia um show na cam, mandava umas fotos pelada e ele ficou "caidásso" por mim.

 

GIL: Ah! Então por isso é que ele depois te largou, não é verdade? 

 

Jaciara: Ui... Não. Eu é que dei o fora nele. A coisa começou a ficar bem estranha. Ele fazia chat com a família toda, conheci até a avó dele por webcam, imagine só. Depois eu vi que não dava mais e terminei.

 

GIL: Hum... Pois, isso é um pouco estranho. Então e que história é essa da pensão?

 

Jaciara: Pô... A vida está difícil para todos. Quando eu soube que o cara tinha bagulho, eu disse que estava grávida dele e pedi pensão. Fui no tribunal e como nós tínhamos o status de "relacionamento sério" desde 2007 o juiz decretou que ele tinha de me pagar 900 reais por mês.

 

GIL: Ahh! Para o bebé?

 

Jaciara: Sim cara. Para o neném que eu carrego dele... Do cara que só vi uma vez em 2007. Isso mesmo... E depois eu é que sou lerda! 

 

GIL: Hum... Pronto, pronto, também não é preciso ofender. Olha, e... Já agora, não me mandas essas fotos, pelada, não? Só assim naquela... Para ilustrar o blog?


Jaciara: CAI FORA MANÉ!

fb.jpg

 GIL

 

Pág. 3/3