Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Estapafúrdios do Quotidiano

Calma, malta! Eu estava a brincar!

Avatar do autor estapafurdiosdoquotidiano, 29.03.13

Sexta-feira, feriado para alguns, dia de trabalho para outros. Mas, não deixa de ser Sexta-feira, certo? E o simples facto de ser Sexta-feira, já deixa um gostinho de um fim‑de‑semana a caminho. Por isso, caro-leitor-que-está-a-trabalhar-nexta-Sexta-feira, tenha lá calma que amanhã já é Sábado! E, claro, para ajudar a minimizar a dor de estar a trabalhar neste dia, o Estapafúrdios do Quotidiano traz-lhe mais um estapafúrdio, para ajudar a passar o dia. Do género: o leitor começa a ler, e, quando ser der por si, já é hora de sair do trabalho e entrar no fim‑de‑semana. E agora, o leitor pensa: «Olha-me este... Que conversa... Isto deve querer dizer, que vem mais um estapafúrdio enorme, que se começa a ler de manhã e só se acaba de ler à noite». Nada disso, ó leitor! O que eu quero dizer, é que o estapafúrdio é tão, mas tão bom, que não quererá deixar de o ler várias vezes ao dia. E, assim, quando o leitor cair na realidade, já está praticamente o dia de trabalho terminado... Bom, desloquemo-nos para a questão essencial, o estapafúrdio de hoje:

 

«PROSTITUTA DECLARADA MORTA NUM HOTEL, REGRESSA À VIDA, QUANDO É COLOCADA NO CAIXÃO!»

 

É isso mesmo! No Zimbabwe, num qualquer hotel, uma prostituta foi declarada morta e quando as autoridades a colocaram num caixão, onde ela iria passar o restos os seus dias, eis que, surpreendentemente, ela acorda e levanta-se do caixão! Ficaram todos em pânico, e algumas pessoas que se encontravam no local começaram a desmaiar, caindo desamparadas no chão, acumulando-se um amontoado de corpos no chão. Consta que, as primeiras palavras da «ex-defunta», foram: «Então, malta! Calma... Eu estava a brincar!» A brincar? Mas... como... a brincar? Então, isto agora é assim? Uma pessoa preocupada com a menina, porque faleceu e tal, e ela levanta-se do caixão e diz que estava a brincar?

 

Esta — lamentável — atitude, indignou toda a comunidade do Estapafúrdios do Quotidiano, originando uma «Chuva torrencial» de emails, a chegar à nossa Caixa de Correio Electrónico, de leitores indignados com esta situação. Pessoas que pedem, expressamente, para que nós (Estapafúrdios do Quotidiano), investiguemos a fundo, o que se passou com esta prostituta «brincalhona»! E foi o que fizemos! Não podemos deixar passar em vão, um pedido tão forte e sincero, por parte dos nossos leitores! Custe o que custar, os leitores merecem saber a verdade! Enviámos, de imediato, um investigador ao encontro da prostituta, para descobrir a verdadeira história.

 

 

Investigador: Boa tarde menina...

 

Prostituta: Boa tarde, jeitoso... Ora... aqui está a minha lista de serviços e preços. Sou asseada, boa rapariga e, pelo preço certo, faço tudo o que o jeitoso desejar! Sabe, tudo na vida é uma questão de preço... Se o jeitoso, apresentar o preço certo e justo, eu sou toda sua! Vá, observe lá a lista de serviços, e diga lá se não contém serviços de qualidade, a preços fantásticos? Hum? Então, não diz nada? Está... mudo...?

 

Investigador: Nã... eu... então... Sim, de facto, está aqui uma bela de uma lista... E... a preços fantásticos... Mas... eu... queria...

 

Prostituta: Eh lá, homem! Então... Bom, eu sei! O meu cardápio de serviços é de uma qualidade estonteante... Deixa qualquer homem, assim, a modos que... embasbacado! Tal e qual, como o jeitoso se encontra agora: Embasbacadinho...

 

Investigador: Sim, um pouco, confesso... Mas eu não estou aqui pelos seus serviços...

 

Prostituta: Ai, não? Então está aqui porquê?

 

Investigador: Eu gostava que a menina me contasse toda a verdade, sobre a história do caixão? A história de a menina ter sido declarada morta no hotel, e quando a colocaram no caixão, acordou e disse as imortais palavras: «Então, malta! Calma... Eu estava a brincar!»

 

Prostituta: Outra vez... Sabe, já estou um pouco farta de dar entrevistas sobre esse assunto. Só lhe conto a verdadeira história, se o jeitoso escolher um dos serviços que tenho para oferecer-lhe!

 

Investigador: Sim! Claro, que sim! Eu prometo!

 

Prostituta: Pois, muito bem... Bom, tudo não passou de um mal-entendido. Eu, tenho um dom! Aliás, tenho mais que um dom, como está exemplificado na minha lista de serviços, mas estou a referir-me ao dom de conseguir aguentar um hora seguida sem respirar! Naquela noite, eu estava com um cliente no hotel, mas o homem cheirava tão, mas tão mal, que a meio de um dos serviços que ele pagou, e bem, eu tive de optar por deixar de respirar! Só assim, é que eu conseguia terminar o serviço! Só que tive azar...

Investigador: Azar? Então?

 

Prostituta: Sim, azar... O serviço que estava a fazer ao mal-cheiroso, demorou mais que uma hora. Não estava a contar que ele aguentasse tanto tempo, naquilo... Acabei por desmaiar e todos pensaram que eu tinha morrido. Mas, no meio de tanto azar, tive alguma sorte, ao acordar no caixão! Tudo não passou de uma brincadeira, minha... Eh, eh... e EH! Mas... diga-me que lhe diga, ó jeitoso. Você já escolheu o serviço...?

 

Investigador: Hum... quem... eu? Ah! Sim, claro... Sim, sim... já escolhi... vamos a isso... hum... pode ser o... tipo... Pode ser o 35?

 

Prostituta: Claro que sim! Vamos a isso! Deixe-me só, deixar de respirar...

 





 

 

 

RIC