Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estapafúrdios do Quotidiano

A verdadeira Popota, por detrás da fictícia Popota…

Avatar do autor estapafurdiosdoquotidiano, 27.11.13

Olá, coisinhos. Então, prontos para mais um belo estapafúrdio fresquinho – fazendo jus ao tempo que se faz sentir? Isso é que são boas notícias… Ao menos, enquanto estão a ler este estapafúrdio, não estão a pensar no frio que está! (A menos que eu insista muito em falar do raça do frio que se faz sentir…) Vá, parem lá de pensar no frio e concentrem-se mas é no estapafúrdio de hoje. O quê? Está tanto frio que nem conseguem ler este estapafúrdio? Também não é necessário exagerar, está bom…? Uma pessoa dá-vos uma mão, e vocês querem logo o braço todo – tipo um dos zombies da série televisiva «Walking Dead». Já chega de pensarem no frio. Bom, para finalizar este pequeno massacre que vos forneço de forma totalmente gratuita, acabo este parágrafo com uma pequena sucessão de expressões que vos irá alegrar um pouco mais. Aqui vai: «Está frio. «; «Frio.»; «Que frio!»; «Ai, caraças, que está tanto frio.»; «Olha, então não é que está tanto frio?»; «Qual é a verdadeira necessidade de estar tanto frio?» E pronto, assim já esqueceram que está frio, não é verdade? Aqueceram de tal forma os vossos neurónios, que até já se esqueceram do frio. E tudo graças a quem? Hã? Quem é amigo, quem é? Pois… 

 

Toda a gente está a par da grande estrela deste natal, não é verdade? Não, não estou a referir-me ao Pai Natal. Estou a falar da grande Popota! É verdade, a grande Popota voltou cheia de energia e de boa onda (Boa onda? Hum… NOT!). Pessoalmente, não tenho nada contra a Popota. Quer dizer, só uma pequeníssima coisa: o facto de o seu aparecimento resultar na ofuscação da Leopoldina. Eu adoro a Leopoldina. Porquê? Porque faz-me recordar os idos e saudosos tempos em que via a Rua Sésamo, e regozijava de alegria assim que aparecia o Popas – o Popas era o MAIOR! 

 

Por detrás da estrela e bem sucedida Popota, esconde-se uma Popota triste e insatisfeita. Sim, eu sei que é difícil de acreditar, mas é a mais pura das verdades. O Estapafúrdios do Quotidiano possui investigadores de alto gabarito, que descobrem coisas que nem ao diabo lembra… Mas é tudo verdadinha, hein! O nosso investigador Zé Constantino – perito em descobrir as tristezas e amarguras das vedetas nacionais – teve uma breve conversa com a Popota, descobrindo que, afinal, ela não passa de uma estrela triste e desanimada… Não acreditam? Então, leiam a conversinha… 

 

 

 

: Popota! Popota! 

 

Popota: O que foi? Se queres um autógrafo, tens de esperar pelo próximo fim‑de‑semana. Vou estar no Continente de Telheiras, a dar autógrafos… Infelizmente… 

 

: Ah… Não é nada disso, querida Popota… Eu queria fazer-lhe umas pequenas perguntas, se não se importar… 

 

Popota: Perguntas? Lamento, mas vais ter de esperar pelo próximo fim‑de‑semana. Antes da sessão de autógrafos, vou dar uma pequena conferência de imprensa onde irei responder a todas as perguntas que os jornalistas quiserem fazer… Infelizmente… 

 

: Mas… Porquê, infelizmente…? 

 

Popota: Hã?! Eh pá, homem, você largue-me da mão! 

 

: Popota… 

 

Popota: O que foi…?!

 

: Nada, nada… É que…

 

Popota: É que… o quê?! 

 

: É que eu sou um fã incondicional da Popota, e estou bastante desiludido com a forma como estou a ser recebido por si… 

 

Popota: Ah, temos pena! Ainda você não viu nada! 

 

 

(Eis que, a Popota desata a chorar…) 

 

 

: Hum…?! Então, Popota?! O que se passa?! Não chore mais! Então, você é um ícone para tanta gente, e está assim, tristonha…?! 

 

Popota: A minha vida é uma desgraça… Eu odeio a minha vida…! Snif! Snif!

 

: Vá… Popota… Anime-se! O que a deixa assim triste? Vá, pode desabafar comigo… Eu sou seu fã, mas, acima de tudo, sou um amigo… Qual é o problema?! 

 

Popota: São as músicas… As músicas que escolhem todos os anos para eu interpretar, são uma treta e eu odeio-as! A todas! Eu não aguento mais! Não aguento mais… Snif! Snif! 

 

: Então, mas são músicas pop… São alegres… 

 

Popota: E quem é que lhe disse que eu gosto de músicas alegres?! Hein?! 

 

: Então, que tipo de músicas é que a minha querida Popota gosta? 

 

Popota: «Ó Povoooo!» Snif! Snif! «Que lavas no riooooooooo!» Snif! Snif! Esta letra diz-lhe alguma coisa?! É que eu adoro, e não sei de quem é… 

 

: Mas… mas… Isso é fado! É Amália Rodrigues! 

 

Popota: Então, pronto! Porque é que não escolhem fado como música oficial da Popota…?! 

 

: Porque era parvo…

 

Popota: Parvo és tu! Acabou-se a conversa! E, atenção, nunca te esqueças que: A POPOTA É FIXE! 




 

RIC

 

 

 

Nota: Quero deixar um especial agradecimento à nossa leitora Milene Carreira, por ter pedido um estapafúrdio com a Popota. Pois isso, originou a que enviássemos o nosso investigador Zé Constantino ao encontro da Popota. O que levou a que este desvendasse mais um segredo bem guardado da nossa sociedade: a Popota, afinal, é uma personagem triste… Obrigado, Milene. Obrigado, Zé. E obrigado, Popota… 

 

 

 

 

 

4 comentários

Comentar post