Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estapafúrdios do Quotidiano

Pratos do dia: «Cimento à Brás» e «Cimento à Zé do Pipo»…

Avatar do autor estapafurdiosdoquotidiano, 02.12.14

Olá, queridos leitores. Antes de avançarmos para o estapafúrdio de hoje, deixem-me actualizar a situação de José Sócrates na prisão de Évora. Segundo o que consegui apurar, Sócrates acordou bem-disposto, fez chichi para um penico e saiu da cela com vontade de praticar jogging. Pronto, sigamos para o estapafúrdio de hoje.

Na Dinamarca, as autoridades viram-se obrigadas a encerrar uma empresa (Nordic Ingredients) que fornecia refeições para hospitais e lares de idosos, porque descobriram que as refeições eram confeccionadas numa… betoneira. Sim, uma betoneira, dessas que são utilizadas pelos trolhas nas obras, para produzir cimento. À primeira vista parece ser um conceito um pouco estranho, mas depois de falarmos com Henrik Lars-Trolha – o dono da empresa de catering – de repente esta história começou a fazer algum sentido… (Ou não…)


RIC: Shôr Lars-Trolha! Então, qual é o prato do dia?

 

Lars-Trolha: Ah. Ah. Ah. Que engraçadinho… Como se você não soubesse que a minha empresa de catering foi encerrada…

 

RIC: Óóóó… Logo agora que estava interessado em experimentar um prato confeccionado numa betoneita. Sempre ouvi dizer que era comida que «enrijava» os ossos! Ah, ah, ah!

 

Lars-Trolha: Confere: temos engraçadinho. E, para além de engraçadinho, também temos um estúpido.

 

RIC: Vá… Também não vale insultar. Vamos lá a assuntos sérios: como é que surgiu essa ideia de fazer as refeições para os velhotes, numa betoneira?

 

Lars-Trolha: Durante vários eu fui um trabalhador da construção civil. Sempre fiz o meu almoço na betoneira, visto que o trabalho não podia parar e a betoneira estar sempre em movimento. E estou aqui, firme e hirto, e nunca tive problemas, tirando a parte em que não consigo dobrar a perna direita, porque onde antigamente tinha o joelho, agora tenho uma bola de cimento. Mas não é um cimento qualquer, é um dos bons. Dos rijos. isto não parte como quem dá cá aquela palha. É um joelho de cimento que está para durar anos, décadas e até séculos!

 

RIC: Ah… Então e isso correu tão bem que decidiu abrir a empresa uma empresa de catering onde as refeições eram feitas numa betoneira…

 

Lars-Trolha: Na verdade, eu nunca tinha pensado em tal. Até porque não queria partilhar esta maravilhosa ideia com o mundo. Era só e apenas o meu segredo. Eu ia chegar aos 100 anos rijo que nem uma parede de betão, e todos iam perguntar: «Ó Lars-Trolha, qual é o teu segredo para, aos 100 anos de vida, estares com forças para fazeres de coluna de um prédio de 10 andares?» Mas depois de ser despedido e de ter abandonado as obras, achei por bem trazer a betoneira comigo e partilhar com o mundo, especialmente com os velhotes dinamarqueses, este meu grande segredo de vitalidade.

 

RIC: Ah… ´Tá giro… E como é que são feitas as refeições?

 

Lars-Trolha: Não tem muito que saber… Basta fazer a refeição normal, e ao mesmo tempo juntar 10% de areia, 5% de água, e uma saca de cimento em pó. Depois é deixar a betoneira fazer o seu trabalho…

 

RIC: Ah, e os velhotes? O que têm dito eles sobre as refeições?

 

Lars-Trolha: Oh, não tem dito nada. Porque estão todos mortos…

 

RIC: MORTOS?!

 

Lars-Trolha: Mas atenção! Nunca os prédios na Dinamarca estiveram tão seguros! Não há terramoto ou sismo que derrube aqueles velhotes! Estão ali rijos, e vão durar séculos! Bom, quer experimentar um Cimento à Brás? Um das minhas especialidades? Tem é de ser você a fazer, visto que eu agora estou aqui a fazer de pilar, e a modos que não me dá lá muito jeito sair daqui, senão o tecto desaba…

 

RIC