Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estapafúrdios do Quotidiano

600 polícias deixam de servir cafés e vão patrulhar. O que irá acontecer a seguir!

Avatar do autor estapafurdiosdoquotidiano, 29.09.16

 

Ora então parece que hoje é dia de estapafúrdio, não é verdade?! É sim senhor! Então vamos lá a isso. Como assim não lhe apetece?! Mau... Então mas não veio aqui para ler um estapafúrdio? Ai não? Veio aqui porque pensava que hoje era dia de gajas nuas? Ah, não! Isso foi ontem. Ontem é que tivemos gajas nuas. Mas se quiser (e pedir com muito jeitinho) o RIC é gajo para colocar aqui uma foto dele em pelota... Ai, isso não quer?! Já tem?! Ó diabo... Bom... Então está bem. Fiquemos assim, eu vou só ali a baixo escrever o estapafúrdio e você vai à sua vida... com a foto do RIC em pelota. Adeus e até já.

 

Foi publicada, naquele jornal que é a maior fonte de notícias estapafúrdias de Portugal, aka Correio da Manhã, uma notícia que indica que a força policial a patrulhar as ruas do país irá aumentar em cerca de 600 militares da PSP e GNR. UAU!! Sim, é verdade. Mais 600 polícias nas ruas para nos proteger de meliantes. Fantástico! Aliás, seria fantástico se estes 600 polícias fossem agentes novos, recentemente treinados, cheios de força e vontade de combater o crime. O problema é que não são... Estes 600 agentes são tipos que antigamente exerciam funções nos bares e messes das esquadras. Ah, pois é! Então parece que iremos ter tipos que antigamente iravam meias de leite e serviam cozidos à portuguesa a prevenir assaltos e fazer rusgas em feiras...

 

O Estapafúrdios do Quotidiano, como não podia deixar de ser, decidiu antecipar um pouco toda esta situação e recriou algumas situações que futuramente poderão (irão) acontecer. Ora vejamos:

 

SITUAÇÃO Nº1:


Agente: Ei! Ei! Você aí, pare já imediatamente!

Meliante: Quem?! EU?! O que é que eu fiz?!

Agente: Sim, você... Onde é que arranjou essa perna de presunto que leva aí debaixo do braço?!

Meliante: Aaa... Eu... Aa... Então eu a modos que... A...

Agente: Vá, desembuche, homem! Onde é que roubou essa perna de presunto?!

Meliante: Então eu... Aaa... Pronto, eu confesso. Roubei ali no supermercado da D. Alzira. Perdoe-me eu prometo que o devolvo.

Agente: Devolve lá agora. Então você vai devolver um presunto dessa categoria?! Deixe-se lá disso homem... Siga lá com a sua vida. Eu só queria saber para ver se ela também me arranja uma perna dessas. Vá, adeusinho...

 

SITUAÇÃO Nº2:

 

Agente: Pare em nome da lei!

Meliante: “Pare em nome da lei”? Mas isso ainda se usa?

Agente: Pois não sei que já não mando parar ninguém à imenso tempo. Eu trabalhava na zona do self-service lá da messe e normalmente eu dizia era para os guardas avançarem, não para pararem!

Meliante: Ai sim... Então e o que é o almoço hoje?

Agente: Pois não sei... Desde que puseram lá aquelas empresas externas, a gerir aquilo, a messe nunca mais foi a mesma. Já não há cozidos, não há chispe, não há mão de vaca com grão, não há feijoada, não há... Ei, ei?! Onde é que você vai?! Olha, foi-se embora. Bom, paciência. Não há jaquinzinhos com arroz de tomate, não há dobrada...

 

SITUAÇÃO Nº3:

 

Agente: Ora então a traficar droga, não é verdade?! Vais de cana meu patife!

Meliante: Eu?!! A traficar droga? Não. Isto é farinha.

Agente: Farinha? Farinha? Tu julgas que eu não sei o que é farinha?! Eu estive 30 anos a fazer bolos... Pff... Farinha diz ele.

Meliante: É farinha sim senhor. Ora prove lá um bocadinho disto... É farinha para bolos espaciais. Daqueles que fazem rir, está a ver?
Agente: Ai sim?! Bolos que fazem rir... Isto há com cada um...

Meliante: A sério! Eu faço uns queques com esta farinha que você quando come desata logo a rir.

Agente: Hum... Pronto, está bem, convenceu-me. Até porque desde que me tiraram lá da padaria eu tenho andado muito triste. Ora dê-me lá a receita desses bolos que eu deixo-o ir embora.

Meliante: Ora então são 20 gramas desta farinha, 200 de farinha com fermento, 6 ovos, 1 chicara de óleo, 150 gramas de açúcar e um pau de canela. Se quiser algo mais vegetariano pode colocar estas ervas que tenho aqui, ou se preferir algo mais saudável pode trocar o açúcar por este cubinho que tenho aqui também

Agente: Hum... Olhe parece-me bem. Então e quanto é que quer por isso tudo?...

 

SITUAÇÃO Nº4:

 

Pessoa em perigo: SOCORRO! SOCORRO! SALVEM-ME!

Agente: Vou já senhora... Vou já.

Pessoa em perigo: Rápido... Rápido que ele vai-me matar.

Agente: Estou a caminho, estou a caminho... Você está aí ao fundo, espere só um bocadinho.

Pessoa em perigo: AHHH! Ele tem uma faca... Ele vai-me matar!! SOCORRO!!

Agente: Estou a caminho, mais 2m e estou aí... É que isto de correr com esta barriguinha não é fácil... Estou quase, espere aí!

Pessoa morta: Ai que faleci!

Agente: Ó... Logo agora que eu cheguei. Olha que chatice, uma corrida de 10 metros para nada. Estas pessoas sinceramente, não sabem esperar. Sempre com pressa, sempre com pressa, parece que alguém vai morrer. Olhe e você, está aí especado a olhar para mim porquê?! Vá, diga o que é que vai ser?! Se não quer nada toca a andar que eu não sou nenhuma vitrine para estar a olhar. Vá andor...

 

SITUAÇÃO Nº5 (e última):

 

Agente: Ora portantos o senhor bateu na sua esposa, não é verdade?

Meliante: Eu não senhor guarda. Ela é que bateu em mim.

Esposa do meliante: É mentira!!! Ele é que me bateu.

Agente: Bom, isso agora não interessa para nada. O que eu quero saber é quem usou esta colher de alumínio para bater?

Meliante: Aaa... Foi ela!

Esposa do meliante: POIS FUI! FUI MAS FOI PARA ME DEFENDER ENQUANTO TU ME DAVAS MURROS E PONTAPÉS!

Agente: Com que então uma colher de alumínio... Ai, aí, sinceramente. Ó senhora mas você não sabe que a colher de pau é muito melhor? Não deixa resíduos na comida, bate melhor, e é bem mais saudável. Olha que esta hein... A sua sorte é que eu ando sempre com uma colher de pau a mais. Bom, tome lá isto e que lhe sirva de lição.

Meliante e esposa: Obrigadinho Shô guarda. Olhe, e já agora, não fica para almoço?

Agente: Ai não que não fico... Só este cheirinho a refogado já me está a deixar maluco...

agentes

 

GIL

 

 

Apanharam o Palito, e agora?

Avatar do autor estapafurdiosdoquotidiano, 23.05.14

Olá! Sei que não vos faculto uma enorme novidade quando vos digo que finalmente apanharam o Manuel Baltazar, mais conhecido em Valongo dos Azeites como o "Palito". Quanto a vocês não sei, mas eu acho que lhe deram esta alcunha porque ele é exactamente o estereótipo do trolha que passa os dias na taberna a beber bagaços, com – lá está! – um palito no canto da boca. A sério, reparem bem na cara dele, e tentem imaginá-lo ao balcão de uma taberna com um bagaçito à frente e um palito na boca. É que é tal e qual… Ou então sou eu que possuo não uma mente criativa, mas sim uma mente absurdamente parva. É mais provável a segunda hipótese. 

 

Bom, sobre a captura do "Palito", acho que já está tudo mais que explicado. O homem regressou a casa para ir buscar uma muda de roupa, visto que andar um mês no meio da mata ou em túneis, é coisa para dar cabo de umas calças de ganga e de uma camisa. O Estapafúrdios do Quotidiano só se interessa por temas ou questões que realmente interessam à sociedade e, por isso, decidimos ir entrevistar um dos agentes que passou o último mês a varrer toda a área de Valongo de Azeites, à procura do "Palito". Consta que o agente Custódio Pirolito está muito indignado com a captura do "Palito", e aproveitou para desabafar com o nosso investigador Toino Almeida das Dores. Vamos lá então saber porque razão esta captura do "Palito", atormenta tanto o agente Pirolito. 

 

(O Toino entra na esquadra, e encontra o agente Pirolito atrás do balcão…)

 

Toino: Bom dia, senhor agente Pirolito! Como vai…

 

Pirolito: Eh pá, deslargue-me da mão! 

 

Toino: Mas… o que se passa, senhor agente? 

 

Pirolito: Vá, diga lá de uma vez por todas, qual é a sua queixa? 

 

Toino: Queixa, senhor agente Pirolito? Mas qual queixa?! 

 

Pirolito: Olhe, meu amigo, agente é a senhora sua tia, está bom?! Eu sou da guarda! Está a ver o que está aqui escrito na minha farda?! 

 

Toino: Sim, estou. Diz "GNR – Guarda Nacional Republicana". 

 

Pirolito: Pois muito bem! Então, para si, passa a ser "Senhor Guarda Pirolito"! Estamos entendidos?! 

 

Toino: Pronto… O senhor agent… Ai! O senhor guarda Pirolito é que sabe! 

 

Pirolito: Então, mas afinal o que é que quer saber?! Que tipo de informação pretende? Eu estou aqui é para o ajudar no que me for realmente possível! Infelizmente, como é claro como água… 

 

Toino: Bem, um passarinho contou-me que o senhor guarda Pirolito, esteve envolvido nas buscas pelo "Palito". Mas, esse mesmo passarinho disse-me que se encontra bastante indignado pelo facto de o Manuel Baltazar, ter sido finalmente capturado…

 

Pirolito: Quem?! 

 

Toino: O Manuel Baltazar… O "Palito"! 

 

Pirolito: Ah, o "Palito"… Ai, ai… O "Palito", o "Palito"… 

 

Toino: Graças a Deus, ele foi capturado. 

 

Pirolito: Ai você acha que isso é uma coisa boa?! Vá mas é para o raio que o parta, pá! 

 

Toino: Eh lá… Então, senhor guarda? Porquê tamanha agressividade?! Assim, de repente, até parece que não ficou muito satisfeito pelo facto de o "Palito" ter sido capturado. 

 

Pirolito: Mas é claro que não estou satisfeito! Mas você acha que estar atrás de um balcão, a facultar informações como se fosse um daqueles quiosques turísticos das grandes cidades, enche de orgulho algum guarda?! Você nem imagina o que eu sofri para ser guarda! E acredite que o meu sonho nunca foi estar atrás de um balcão! 

 

Toino: Então, mas o que é que a detenção do "Palito" tem a ver com essa questão de estar atrás de um balcão, armado em guia turístico?

 

Pirolito: Oh homem, por amor de Deus! Eu estive no terreno durante o último mês, à caça daquele assassino! Um mês inteiro, sem tomar banho, sem ir a casa, a fazer as necessidades fisiológicas no meio da mata ou em Postos de Combustível, e agora estou aqui amarrado nesta cadeira, atrás deste aborrecido balcão, a falar consigo… Isso é lá bom para alguém?! Eu sou um guarda, pelo amor da santa! Eu quero acção! Eu quero participar activamente em rusgas! Quero mais! Eu não nasci para isto!  

 

Toino: Mas não era perigoso? 

 

Pirolito: Eu sou o agente Custódio Pirolito! Eu não tenho medo de nada! 

 

Toino: Mas… Você diz que andou um mês na mata sem ir a casa, à caça do "Palito"… Isso não era desagradável? Vá, um dia ou dois, tudo bem. Agora um mês inteiro sem tomar banho?! Sempre com a mesma roupa?! Isso é que é trabalho de guarda?! 

 

Pirolito: Sim, isso é que é trabalho de guarda! Eu estive um mês completamente isolado no meio da mata, tal e qual o Rambo nos seus filmes! Eu aprendi a ser imune à dor, ao cheiro, ao mau-estar por ter borrado as cuecas e não ter outras para vestir! Eu não nasci para estar aqui fechado na esquadra… Cá por mim, o melhor que tinham a fazer era soltar o raio do homem! Assim ele fugia, e eu voltava ao terreno para o caçar! Que é para isso que eu fui treinado! 

 

Toino: Ó guarda Pirolito, olhe uma coisa. Isso é tudo muito bonito e tal, mas você disse-me que teve de se habituar ao mau-estar por estar a usar umas cuecas borradas… Ora, a contar pelo pivete que está aqui nesta esquadra… Você chegou a mudar de cuecas desde que o "Palito" foi detido?! 

 

Pirolito: Mas é claro que NÃO! 

 

Toino: Cruzes credo, que nojo! Então e porquê?! 

 

Pirolito: Porque era a minha mulher que me lavava as cuecas. 

 

Toino: Lavava?! Então e já não lava, porquê?! 

 

Pirolito: Porque ela deixou-me… Depois de estar um mês fora de casa, cheguei a casa e tinha um bilhete dela a dizer o seguinte: "Custódio, não aguento mais isto! Há já um mês que não colocas os pés em casa, e eu preciso de um homem! Eu preciso do meu homem!"

 

Toino: Ah, pois… A sua mulher também tem necessidades como as outras, obviamente… Estava carente, e você não estava em casa… Pois, pois… É a vida… 

 

Pirolito: Mas qual carente, qual quê?! Ela queria era que eu lhe cortasse as unhas dos pés, porque ela pesa sensivelmente à volta de 250 quilos, e não consegue chegar com as mãos aos pés. A enorme bola de gordura que ela possui na zona do abdómen, não lhe permite grande elasticidade… De modos que ela foi embora, e eu não tenho cuecas limpas para vestir… Está tudo borrado. Enfim, é a vida! 

 

Toino: É caso para dizer: "Eish, ó Pirolito… Estás mesmo na MERDA!" 

 

(Acabou-se a saga do homem mais procurado de Portugal, o shôr Palito...)

RIC