Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estapafúrdios do Quotidiano

O incrível interrogatório a Bruno de Carvalho em primeiríssima mão!

Avatar do autor estapafurdiosdoquotidiano, 19.11.18

Incrível! O Estapafúrdios do Quotidiano antecipou-se ao Correio da Manhã, e conseguiu ter acesso ao interrogatório a Bruno de Carvalho, no Tribunal do Barreiro. Sem mais demoras, fica aqui o interrogatório a que tivemos acesso e que, como se poderá comprovar, é deveras elucidativo... (Ou não!)


Juiz: Boa tarde. Ora, estamos aqui na presença...

 

BC: Boa tarde, é como quem diz. Se calhar para si é uma excelente tarde, mas para mim não que ainda nem a um duche decente tive direito desde que fui detido. E assim não pode ser. Isto é uma tremenda injusta e um verdadeiro atentado contra os direitos da humanidade e...

 

Juiz: Desculpe. Relembre-me: eu fiz-lhe alguma pergunta?

 

BC: Não, mas...

 

Juiz: Então tenha respeito pelo tribunal e, claro, pela minha pessoa — o juiz que está à sua frente.

 

BC: Ok, shôr doutor juiz. Lamento, mas...

 

Juiz: Bom, vamos lá dar início a essa sessão. Ora, estamos aqui na presença do cidadão Bruno de Carvalho, correcto?

 

BC: É uma pergunta?

 

Juiz: Sim, agora é uma pergunta. Responda, por favor.

 

BC: Sim.

 

Juiz: Pois, muito bem. Continuando, ex-presidente do clube desportivo Sporting Clube de Portugal, correcto?

 

BC: Errado.

 

Juiz: Como assim?

 

BC: Eu SOU o Presidente do Sporting Clube de Portugal! O que fizeram foi um verdadeiro ultraje! Uma cabala contra a minha pessoa, que estava a tentar trazer novamente glória ao clube! Eu ainda SOU o Presidente eleito! Eu!

 

Juiz: Ahã... Bom, adiante. O shôr Bruno de Carvalho sabe o que o leva a estar presente hoje perante um juiz?

 

BC: Desconfio...

 

Juiz: Pois muito bem. E o que tem a dizer sobre isso?

 

BC: Que não tenho culpa. Que estou completamente inocente. Eu não sabia que elas eram tão jovens. Pode não acreditar, mas olhando para elas ninguém dizia que tinham apenas 16 anos. As miúdas hoje em dia crescem num ápice. E sabe como é: as jovens tem uma apetência para se meterem com DJ´s. Eu estava apenas a passar música, elas é que se meteram comigo na discoteca e, mais tarde, no táxi até a um hotel e depois...

 

Juiz: O que raio está para aí a dizer? Você não está aqui por causa das suas aventuras de DJ!

 

BC: Ai não? Ah, bolas. Pensei mesmo que fosse isso... Ah, já sei, é sobre a minha ex-mulher, não é? O que foi que ela inventou agora? Seja o que for, eu nego categoricamente tudo! É mentira e só invenções dela! Eu não me droguei! Apenas tomei medicamentos a mais do que devia. Porque esqueci-me de colocar um alarme no telemóvel como aviso para as tomas diárias, e depois acabei por tomar o dobro da dosagem para compensar a outra que não tinha tomado. Ora, aquilo caiu-me muito mal no estômago e eu acabei por ter de ir às urgências do hospital. Eu Não me drogo! É mentira dela!

 

Juiz: Caro Bruno de Carvalho, você não está a perceber realmente qual é o motivo da sua presença neste tribunal. Você está aqui, devido ao seu suposto envolvimento no ataque à Academia de Alcochete!

 

BC: Ah! Porque não disse logo, shôr doutor juiz. Quanto a isso só tenho uma coisa a dizer.

 

Juiz: Que é...?

 

BC: Nego categoricamente todas as acusações de que sou alvo.

 

Juiz: Pronto. Estamos despachados então. Guardas, podem levar o cidadão Bruno de Carvalho, por favor.

 

BC: Alto! Vamos a ter calminha. Não estamos despachados, não! Então e o meu duche? Eu preciso de tomar um duche!

 

Juiz: Hum... Está bem. Paga 70 mil euros de caução e pode ir tomar o duche a casa. Que lhe parece?

 

BC: Estamos despachados. Adeus e um bom resto de dia.

 

960.jpg

RIC

Toda a verdade sobre o plágio de Tony Carreira!

Avatar do autor estapafurdiosdoquotidiano, 21.09.17

 

Agora que a polémica sobre o plágio de algumas músicas do Tony Carreira acalmou, o Estapafúrdios do Quotidiano achou por bem falar com o artista, de modo a tentar esclarecer toda esta confusão. GIL e RIC (enoooormeees fãs do quebra corações das senhoras de meia idade) tiraram “cara ou coroa” para decidir quem iria entrevistar o artista. (In)felizmente para mim (GIL) fui eu quem perdi. Ups, ganhei! Por isso tive a incrível oportunidade de tirar toda esta confusão a pratos limpos. Ora vejamos o que descobri.

 

GIL: Estou, Tony?

Tony: "Hello, it's me..."

GIL: Oi?

Tony: "I was wondering if..."

GIL: Ei, Tony, 'pshiu...' isso é uma música da Adele, pá! Deixa-te mas é estar calado antes que leves outro processo em cima.

Tony: Ok. Você tem razão. Mas já agora, quem fala? Se está a ligar por causa das casas fique sabendo que já vem tarde. Eu já vendi "as minhas casinhas, as minhas casinhas, as minhas casinhaaaaas!"

GIL: Tony, isso é dos Xutos...

Tony: "Perdoa-me, desculpa, não sei mais como alcançar-te..."

GIL: Porra Tony, não acertas uma. Essa é da Rita Guerra, porra! Bom. Vamos lá a saber, andas ou não andas a plagiar músicas?!

Tony: "Ai, não! Não! Não! Não me pergunte isso! Senão eu desespero! Porque eu não posso responder a você... Ai não, não, não..."
GIL: Hum?! Não estarás por ventura a cantar Daniela Mercury, não?!

Tony: Quem?! Eu?! "Isso mentira... Mentira! Mentiraaaaa aaaa oh oh oh! Tenho saudades de quando era, um enorme cantor. Tenho vontade de cantar e não me chamarem imitador!"

GIL: Olha agora é uma adaptação da música João Pedro Pais... Sr. Tony Carreira deixe-me que lhe diga que começo mesmo a acreditar que as acusações são verdadeiras.

Tony: Tem razão, eu confesso! Confesso... «snif» É tudo verdade... Eu não consigo mais... «snif» Eu juro que queria inventar letras boas e originais para as minhas músicas, mas não consigo.

GIL: Falta de inspiração Tony?

Tony: Não... Inspiração eu tenho. Tempo é que não. Primeiro foi o Mickael que começou com a história de querer ser cantor... Confesso que inicialmente até fiquei orgulhoso. O meu primogénito queria seguir as pegados do pai. Mas o puto não tinha jeito nenhum para escrever letras. Quando dei por mim estava a escrever letras para mim e para ele. Depois foi a vez do David. O irmão era o seu ídolo. Se o Mickael era cantor ele também queria ser. O problema é que também o David não tinha jeito nenhum para a escrita. Conclusão, o bom do Tony teve de escrever letras para o David também... E como se isso não bastasse, a minha pequena Sara também quis cantar. Não há tempo para tudo.

GIL: Ahhh! Percebo. Realmente não é fácil. Mas... Ó Tony e já pensaste em fazer uma pausa na carreira?! Aproveitavas que já amealhaste um bom pé de meia e reformavas-te. O que achas?

Tony: Bom pé de meia? Bom pé de meia? Ah! Ah! Deixa-me rir, pá! Mas tu achas que eu estou a vender as casas todas porquê?! Eu estou na falência.

GIL: A sério?! Nunca pensei... O que passou Tony? Foram as gajas? Não me digas que estouras-te a guita toda em meninas?

Tony: Meninas?! Não pá. Bastou uma menina e a minha mania de cantar músicas que não são minhas.

GIL: Hum...?! Não percebi.

Tony: Então, a Fernanda virou-se para mim e disse: “Tony. Quero o divórcio!” ao que eu respondi:

“Vai-te embora

Podes levar o que pertence a ti

Vai-te embora,

Podes levar o que pertence a mim

Vai-te embora,

Leva contigo o que te apetecer

Vai-te embora,

Mas deixa a minha razão de viver

Não me leves as coisas mais queridas

Que nos pertence em partes iguais

Nossos filhos a quem eu dei a vida

E é de mim que eles precisam mais!”

Conclusão. Ela foi-se embora com a guita toda e eu fiquei com aqueles 3 monos, sempre a pedir-me para escrever letras para eles, e um monte de dívidas em cima... Ai, Ai, Pai Sofre!

GIL: Uiiii. A quem o dizes, Tony. A quem o dizes...

Tony.jpg

GIL